«Toda pessoa que a gente encontra está sempre no intervalo entre dois cocôs»


»» Coluna do Zlotnic

(Haicais Ocidentais)

1. Todos os cidadãos de todos os países do mundo deveriam votar nas eleições presidenciais de qualquer país da rede globalizada.

2. Desculpe-nos pelas obras, estamos em transtornos.

3. Lógica rápida: quando a essência vem à tona, ela sai do núcleo e estaciona na periferia, deixando, portanto, de ser essência.

4. Já é amanha? Não, ainda é ontem.

5. Uma lâmpada caiu na cabeça de Thomas Edison, que disse “eureca” e inventou a lâmpada.

6. Uma maçã caiu na cabeça de New... Leia mais

A «águia» na mitologia nórdica

A águia é um animal muito presente na literatura e nas mitologias do medievo europeu, geralmente simbolizada como mensageira dos deuses e do fogo celeste, mas também acompanhando grandes heróis. Enquanto substituto do sol em várias religiosidades euroasiáticas, foi um animal amplamente utilizado na heráldica e nas representações de realeza e nobreza.

Na mitologia nórdica a águia foi representada no topo da árvore Yggdrasill (Grímnismál 31), inimiga e oposta a uma serpente-dragão em sua base. A imagem de uma árvore cósmica cujo topo é habitado por um pássaro e em sua base/raiz por uma serpente ou dragão é comum a diversos povos espalhados pelo mundo, da Eurásia à América pré-colombiana, e como nas fontes nó... Leia mais

Afinal, o que há de errado com o Brasil?

O FMI acaba de publicar um estudo em que, dentro de seu grupo — ou seja, os países emergentes somados aos latino-americanos —, o Brasil teve o pior desempenho econômico mundial em 2014, e repetirá o “feito” em 2015. No grupo dos Brics (Brasil, Índia, Rússia e China), apenas a Rússia teve desempenho pior. Mas a Rússia está em quase guerra com a Ucrânia, e é alvo de sanções econômicas. A conclusão do FMI é que o mau desempenho brasileiro, ao contrário do que grita o governo, tem causas internas.

Se um marciano aportasse na Alemanha em 1945,... Leia mais

Quão representativo é o governo democrático (e vice-versa)?

As democracias modernas têm sua origem nas formas de governo nascidas das experiências históricas da monarquia constitucional inglesa, da república norte-americana e da revolução francesa. No campo das ideias, o liberalismo, em suas várias correntes, impôs-se na formulação dos princípios ideológicos e dos modelos teóricos. Da conjugação das três experiências históricas e dos diversos matizes do pensamento liberal, há alguns elementos passíveis de serem identificados como inerentes à democracia moderna.

Um del... Leia mais

Deu na Folha

"O que há em comum entre os três livros da primeira leva [da Série Sexo] é que cada um quebra um tabu à sua maneira. [...] Penso que a escolha do texto do poeta e escritor vitoriano Algernon Charles Swinburne (1837-1909) [A Vênus de quinze anos], cuja obra pende para a pornografia, o sadomasoquismo, a necrofilia e a autoflagelação deve ter sido feita em razão de ele ter criado, 60 anos antes, uma Lolita tão picante quanto a de Nabokov. [...] O segundo livro, Leia mais

Contramão!

>>Coluna do Zlotnic

Disse Paulo Francis: não há vida inteligente acima de 25º Celsius! De acordo. Fosse eu prefeito, obrigaria, por lei, que a temperatura jamais subisse para além de certo limite pré-estabelecido (23º). Céu plúmbeo! Ventos! Essa é a boa paisagem para chamar a inspiração.

Obs.: Claro que, com esta plataforma, jamais serei eleito. Mas, muito antes disso, sem ser candidato, jamais serei eleito — pois até reunião de condomínio me causa arrepios.

Sou contra as temperaturas altas, como se vê. Mas sou contra também tantas outras c... Leia mais

A velha novela do conto e do romance


Quais e quantos subgêneros comporta a prosa de ficção? Este texto aborda a questão em si, da forma mais abrangente e sintética que foi possível. Mas se não se reporta a nenhum autor em particular, a discussão que o originou foi suscitada pela obra de H.P. Lovecraft. O mais consagrado autor do “terror metafísico”, herdeiro de Edgar Allan Poe e mestre de Stephen King, nunca escreveu um romance, mas, além de centenas de contos, talvez tenha escrito algumas novelas. Ou talvez não.... Leia mais

Poe, o inventor da modernidade



Ao escrever recentemente sobre a modernidade de Baudelaire — “Por que Baudelaire é moderno?” —, dei como uma das respostas seu contato precoce com a obra de Poe. A razão fica evidente se se lembra da conhecida taxonomia criativa de Ezra Pound: os artistas se dividem em inventores (que criam novas obras & novas formas de expressão ou revolucionam as antigas), mestres (que utilizam da maneira mais potente as inovações dos inventores) e diluidores (que diluem essas ino... Leia mais

A “grande mãe Rússia” no divã de seu maior analista, Dostoiévski

Se a Rússia, como dizem os russos, é uma mãe (“a grande mãe Rússia”), ela tem uma alma. E se a Rússia tem uma alma, quem melhor soube analisá-la foi Dostoiévski.

Na parte inicial de sua obra, ou seja, nos contos que escreveu entre sua estreia, com o aclamado “Gente pobre”, de 1846, até sua prisão, em 1849, o que se vê é o futuro grande interpretador da atormentada “alma” do povo russo em formação. Ou seja, o poder descritivo e a profundidade analítica do homem russo, suas crenças e circunstâncias, que afinal transcendem esse homem... Leia mais

A terceira invasão holandesa

O século XVII, no Brasil, foi um século mais longo do que o normal, ao menos pela quantidade de acontecimentos que nele ocorreram ou couberam. No âmbito literário, registra-se a criação da obra maior, em todos os sentidos, de Antonio Vieira (cujos principais sermões a Hedra acaba de relançar). Na esfera geopolítica, aconteceu quase tudo, com quase todo o mundo ocidental de olho na América do Sul e na Terra do Brasil. Principalmente a pequena grande Holanda, então uma potência naval, militar e comercial.

As coisas começaram em... Leia mais