Thumb_dialogos-borges-osvaldo-ferrari

CAIXA Diálogos – Borges | Osvaldo Ferrari

Jorge Luis Borges e Osvaldo Ferrari

Esta caixa contém os três livros de diálogos entre Jorge Luis Borges e o poeta argentino Osvaldo Ferrari, o que é seguramente a última grande obra do autor de “O Aleph”. Realizados nos últimos anos de sua vida, entre 1984 e 1985, resumem suas opiniões numa conversa franca e direta sobre os principais temas sobre os quais escreveu ao longo da vida: memória, mitologia escandinava, budismo, épica anglo-saxã, armas brancas, tigres, espelhos e labirintos.

Thumb_a-venus-de-quinze-anos-flossie

A Vênus de quinze anos (Flossie)

Charles Swinburne

"Imagine que minha boca é um outro lugar". Quando Flossie diz isto a Jack Archer, ela ainda é uma virgem de quinze anos − o que explica a frase. Mas não exatamente a justifica: pois é difícil imaginar que Archer, naquela circunstância, em que sua jovem e sexualizada beldade está para lhe mostrar todas as sutilezas do sexo oral, pudesse pensar em qualquer “outro lugar”.

Thumb_iliada

Ilíada

Homero

A Ilíada é o poema épico por excelência, pois toda a ação decorre no campo de batalha. Narra o nono ano da guerra de Troia, a partir do episódio conhecido como “A ira de Aquiles” até o funeral de Heitor, maioral entre os guerreiros troianos. Esta edição é a tradução de Carlos Alberto Nunes, um dos mais prolíficos tradutores literários do século XX no Brasil.

Thumb_um-retrato-do-artista-quando-jovem

Um retrato do artista quando jovem

James Joyce

A obra de James Joyce foi toda ela um gigantesco “work in progress”, uma “obra em progresso” ou “em progressão” (expressão criada por ele próprio para se referir ao Ulysses quando ainda em criação). Essa obra começa com os contos de Dublinenses, em que Joyce testa seus “músculos literários” com a narrativa tradicional, e avança para a obra anterior e preparatória ao Ulysses: Um retrato do artista quando jovem.

Thumb_manual-da-destruicao

MANUAL DA DESTRUIÇÃO

Alexandre Dal Farra

Romance de estreia do dramaturgo, ganhador do 25º Prêmio Shell de melhor autor. Marcada por uma análise corrosiva do eterno conflito de classes brasileiro, esta narrativa ácida é contada pelo ponto de vista de um personagem à beira de um surto psicótico, em um retrato excruciante, cômico e incômodo dos nossos preconceitos.