Kalinka

Thumb_salmo-romance-meditacao-sobre-os-quatro-flagelos-do-senhor

Salmo — romance-meditação sobre os quatro flagelos do Senhor

Friedrich Gorenstein

Salmo — romance-meditação sobre os quatro flagelos do senhor, de Gorenstein, escritor, dramaturgo e roteirista de Andrei Tarkóvski, sem dúvida é um dos romances mais complexos da literatura mundial. Como já o havia feito Mikhail Bulgákov em Mestre e Margarida, surge na realidade soviética um enviado do céu: este enviado é Dã, o Anticristo, que aparece entre falantes da língua russa.

Thumb_poesia-russa-seleta-bilingue

Poesia Russa: seleta bilíngue

Poesia russa: seleta bilíngue, livro de artista confeccionado por Fabiola Notari, reúne traduções de Aurora Fornoni Bernardini de poetas russos de diversas épocas, como Aleksándr Púchkin, Mikhail Lêrmontov, Boris Pasternak, Anna Akhmátova, Marina Tsvetáieva, Daniil Kharms e Joseph Brodsky.

Thumb_taraka-o-bigodudo

Tarakã, o bigodudo

Kornei Tchukóvski

Tarakã, o bigodudo foi escrito por Tchukóvski em 1921. Para crianças e adultos, o poema conta a história de um baratão (takanische) que assusta todos os animais da floresta. A crítica delineada pelo autor à sociedade de então não tirou a graça e a musicalidade dessas estrofes tão conhecidas e queridas dos russos.

Thumb_parque-cultural

Parque Cultural

Serguei Dovlátov

Em Parque Cultural (1983), Serguei Dovlátov (1941–1990), um dos escritores russos mais icônicos do século 20, nos conduz a um estranho lugar no qual “tudo vive e respira Púchkin”. Nesse parque-museu dedicado a Aleksándr Púchkin, uma espécie de “Pushkinland”, o narrador em primeira pessoa, alter ego do escritor, desconstrói o mito soviético de Púchkin e cria, ao mesmo tempo, “um paralelo entre dois mitos”, o próprio e o do maior poeta russo.

Thumb_encontros-com-liz-e-outras-historias

Encontros com Liz e outras histórias

Leonid Dobýtchin

Encontros com Liz e outras histórias reúne contos escritos entre 1923 e 31. Com uma linguagem inovadora, concisa e irônica, passando "do real ao grotescamente absurdo", e uma narração moderna, em planos justapostos, na qual muitas vezes não sabemos onde estamos – ora atropelados por um desfile, com estandartes batendo nos narizes, ora sozinhos sob uma meia-lua furtiva, pesada e opaca –, testemunhamos recortes do cotidiano do novo mundo soviético.

Thumb_o-diabo-mesquinho

O diabo mesquinho

Fiódor Sologub

O romance O diabo mesquinho, de Fiódor Sologub (1863-1927), escrito na passagem do século XIX para o XX, foi traduzido diretamente do russo, numa publicação inédita no Brasil. As situações de O Diabo Mesquinho, escrito por Sologub durante dez anos (1892-1902), beiram o nonsense e tocam, ao mesmo tempo, em questões cheias de concretude e violência, relacionadas ao poder, à autoridade, ao funcionalismo público etc., sempre permeadas por flechadas irônicas, pessimistas e destituídas de psicologismos.