História

Thumb_combo-colecao-bienal

COMBO | Coleção Bienal

 As leituras e referências teóricas que embasaram o pensamento curatorial da 30ª Bienal de São Paulo — A iminência das poéticas (2012) estão compiladas nesta coleção de seis livros de pequeno formato com textos fundamentais para a curadoria e até agora inéditos em língua portuguesa. O COMBO | Coleção Bienal se resume aos seis livros acompanhados de cinco mini-pôsteres estilizados 15 X 9,5 cm, baseados nas capas da coleção.

Thumb_visao-de-psicanalise

Visão de psicanálise

Renato Bulcão

Renato Bulcão encontrou no formato do diálogo – aqui um tanto socráticos – uma forma de fugir dos manuais teóricos: Jacob Pinheiro Goldberg é, neste livro de rápida leitura, colocado em cena para comentar sua atuação e concepção original da psicanálise.

Thumb_combo-sermoes-de-antonio-vieira

COMBO | Sermões de Antonio Vieira

 O COMBO | Sermões de Antonio Vieira reúne ao todo cinquenta sermões do Padre Antonio Vieira, tido por Fernando Pessoa como “o imperador da língua portuguesa”, em duas edições especialmente bem cuidadas, sob organização de Alcir Pécora. Não à toa, o vasto conhecimento do mundo, a sabedoria de nossa língua, o lúcido realismo e a mais clara beleza fonética são o que fazem de Antonio Vieira um real mestre da prosa e retórica em língua portuguesa.

Thumb_combo-teatro-irlandes

COMBO | Teatro irlandês

 O COMBO | Teatro irlandês reúne quatro livros de autoria do dramaturgo Brian Friel: Dançando em Lúnassa, O fantástico reparador de feridas, Filadélfia, lá vou eu e Performances.

Brian Friel é um dramaturgo nascido em Omagh, Irlanda do Norte. Passava férias do outro lado da fronteira porém, em Donegal, República da Irlanda. Tanto o ambiente de tensões políticas entre os dois países quanto a paisagem rural de Donegal, além da tradição irlandesa do teatro, influenciaram a obra de Friel.

Thumb_viagem-aos-estados-unidos

Viagem aos Estados Unidos

Alexis de Tocqueville

Alexis de Tocqueville (1805 – 1859), pensador político, historiador e escritor, tratou de temas como a Revolução Francesa e a democracia americana. Membro deuma família aristocrática, Tocqueville é um dos grandes representantes do pensamento liberal clássico, com participação ativa na política francesa de seu tempo.

Thumb_o-que-eu-vi-o-que-nos-veremos--2

O que eu vi, o que nós veremos [Bolso]

Santos-Dumont

Santos Dumont é conhecido no Brasil como o pai da aviação, porém, apesar de toda a sua fama, poucos sabem que esse herói nacional deu testemunho em livro de sua vida e de suas aventuras pioneiras pelos céus.

Thumb_a-conjuracao-de-catilina

A conjuração de Catilina

Salústio

A conjuração de Catilina relata o conjunto de eventos que constituíram o malogrado plano de Lúcio Sérgio Catilina (108 - 62) para se assenhorear do poder em Roma, no ano do consulado de Cícero, 63. Catilina, de família patrícia romana, provavelmente pretor em 68, governador da província da África no intervalo de 67 a 66, tentara por duas vezes eleger-se cônsul, sem sucesso (64 - 63).

Thumb_historia-de-igrejas-destruidas

História de igrejas destruídas

Eduardo Brigagão Verderame

“Este livro compreende uma pequena coleção de desenhos e histórias que reuni sobre igrejas brasileiras destruídas. Os motivos e as razões que provocaram essas destruições variam desde incêndios ou guerras até mesmo reformas ou simplesmente o descaso. Algumas dessas igrejas existem ainda hoje, reconstruídas e restauradas, outras tantas não tiveram a mesma sorte. [...] A minha ideia foi fornecer um pequeno histórico ou contexto sobre as igrejas, sempre acompanhados de alguma imagem que retratasse seu aspecto arquitetônico original, desenhadas, na maioria das vezes, a partir de alguma foto e quando possível de uma visita às suas ruínas.”

Thumb_joana-d-arc

Joana d'Arc

Jules Michelet

Publicada originalmente em 1841, como o tomo V da Histoire de France, esta obra trata da vida e a morte desta importante personagem francesa. Diferente das demais obras do autor, contudo, o texto não é uma biografia em sentido estrito. Coerente com sua metodologia, caracteriza Joana d’Arc como a angelical Donzela, mas a narrativa privilegia a perspectiva histórica da nação francesa.