Fábula

Thumb_a-terra-uma-so

A terra uma só

Timóteo da Silva Verá Tupã Popygua

O livro do segmento Guarani da Coleção Mundo Indígena, A terra uma só (Yvy Rupa), foi escrito por Timóteo da Silva Verá Tupã Popygua, liderança guarani, para pessoas de todas as idades, contando o que aprendeu e pensou nos caminhos que percorreu pela Mata Atlântica, na América do Sul, junto ao seu povo Nhande’i va’e, conhecidos também como Guarani Mbya.

Thumb_os-cantos-do-homem-sombra

Os cantos do homem-sombra

Os Hupd’äh têm muitas histórias sobre a gente-sombra. Os homens e mulheres-sombra são muito perigosos e usam roupas coloridas — além de caçar e fazer mal aos Hup. Uma dessas roupas tem cor de sombra, daí seu nome. A gente-sombra causa doenças e pode até matar. Eles comem a carne e o espírito dos humanos. Mas muitos deles são sábios e conhecem cantos, mitos e benzimentos. Os cantos do homem-sombra é a história do encontro de um Hup com um homem-sombra chamado Way Naku.

Thumb_a-mulher-que-virou-tatu

A mulher que virou tatu

Kapitan Kirino e Alberto Roque Toribio

Os quase oito mil Caxinauá fazem parte da família linguística pano, composta por cerca de trinta grupos, ocupando a fronteira entre o Brasil e o Peru. No Brasil, eles vivem em doze terras indígenas e, no Peru, eles ocupam todo o rio Curanja e uma parte do rio Purus — da cidade de Puerto Esperanza até a embocadura do rio Curanja. O historiador João Capistrano de Abreu foi quem, no início do século XX, registrou pela primeira vez a língua e o modo de vida Caxinauá junto a dois jovens provenientes da etnia, do rio Ibuaçu. Esse trabalho deu origem ao livro Hantxa huni kuin (publicado pela primeira vez em 1914), sobre a língua dos Caxinauá do rio Ibuaçu, afluente do Muru.

Thumb_o-cavalo-de-ebano-uma-historia-das-mil-e-uma-noites

O Cavalo de Ébano - Uma história das Mil e uma noites

Richard Burton

Um rei recebe presentes valiosos oferecidos por sábios interessados em obter a mão de sua filha. Um dos presentes mais incríveis é um cavalo que voa, mas quando a princesa fica sabendo que foi prometida a um sábio velho e horrível, desespera-se e pede ajuda a seu irmão, que monta o cavalo e desaparece pelos ares. Assim começam as peripécias que nos levam a outros reinos onde o príncipe conhece uma princesa, que precisará salvar usando sua astúcia e coragem.

Thumb_fabula-de-polifemo-e-galateia-e-outros-poemas

Fábula de Polifemo e Galatéia e outros poemas

Góngora

Esta fábula, de 1612, narra o episódio mitológico descrito no livro XIII das Metamorfoses de Ovídio: os amores do cíclope Polifemo pela ninfa Galatéia. A obra deste importante poeta da poesia aguda do Siglo de Oro se vale de complexos recursos estilísticos, como o uso de sintaxe e vocabulário latinos, elaboradas figuras de linguagem, e uma pletora de alusões à mitologia clássica.

Thumb_o-desertor

O desertor

Silva Alvarenga

Esta fábula cômica é constituída pelas peripécias de um grupo de estudantes guiados pelo professor Tibúrcio, personificação da Ignorância, expulsa de Coimbra pelo Marquês, que restituíra a Verdade ao trono na velha instituição de ensino. Foi publicada em 1774 pela Real Oficina da Universidade de Coimbra, por ordem do Marquês de Pombal, quando Silva Alvarenga tinha apenas 24 anos.

Thumb_a-semente-e-a-torre

A semente e a torre

Leonardo Da Vinci

Uma amizade impossível entre dois personagens estranhos, ou uma estranha amizade entre personagens impossíveis: uma semente e uma torre. Por um grande acaso, eles se encontram; depois, conseguem se abraçar. Mas com o passar do tempo...