Tarakã, o bigodudo

Kornei Tchukóvski

Tarakã, o bigodudo foi escrito por Tchukóvski em 1921. Para crianças e adultos, o poema conta a história de um baratão (takanische) que assusta todos os animais da floresta. A crítica delineada pelo autor à sociedade de então não tirou a graça e a musicalidade dessas estrofes tão conhecidas e queridas dos russos.

Como explica o jornalista e tradutor Irineu Franco Perpétuo no prefácio da edição:

"Embora Stálin só tenha ascendido ao cargo de secretário-geral do Partido Comunista da URSS em 1922 – portanto, depois da redação de Tarakã, o bigodudo –, não faltou quem o visse retratado no protagonista do texto, cuja força tirânica parece advir do medo e da recusa em enfrentá-lo daqueles que subjuga. Não é impossível que Óssip Mandelstam (1891-1938), amigo de Tchukóvski, tivesse a alegoria em mente ao elaborar, em 1933, o poema Vivemos sem sentir o chão nos pés, em que o ditador é satirizado com uma comparação entre seus bigodes e baratas. De qualquer forma, para além do subtexto político que interessará aos adultos, o texto de Tchukóvski mantém o encanto para as crianças pelo colorido das imagens, ritmo, musicalidade e graça das rimas, o que a tradução buscou recriar em português com esmero e sabor, enriquecendo o texto russo com referências tipicamente brasileiras."

Ficha técnica

Número de páginas
22
ISBN
9788561096069
Dimensões
10.0 cm × 15.1 cm × 0.4 cm
Peso
0.03 kg

Compartilhe