Dostoiévski e a dialética: fetichismo da forma, utopia como conteúdo

Flávio Ricardo Vassoler

Em Dostoiévski e a dialética, Flávio Ricardo Vassoler põe em xeque a interpretação mais famosa da obra do romancista russo, eternizada pelo crítico soviético Mikhail Bakhtin em Problemas da poética de Dostoiévski, de que seu conjunto comporia uma “catedral polifônica”, ou seja: um concerto de vozes em harmonia em uma construção erigida em bases sólidas.

Fiódor Dostoiévski, por romances do porte de Irmãos Karamazov e Crime e castigo, é considerado um dos maiores escritores da história. Sua profunda investigação da psique humana, pensada filosoficamente através de seus personagens, o tornaram inspiração e leitura indispensável para inúmeras correntes de pensamento que surgiriam a partir da segunda metade do século XIX, dentre as quais se podem destacar o niilismo, o existencialismo e a própria disciplina da psicanálise. Significa dizer que Dostoiévski teve influência fundante na tradição filosófica que o sucedeu e que ainda rege, em boa parte, nossa concepção de mundo.

Para Vassoler, a ideia de harmonia presente em Bakhtin vai de encontro ao caráter contraditório, dialético, da chamada catedral dostoievskiana. No cerne de seu argumento, o autor vai “aos porões”, ao que subjaz a essa construção harmoniosa para nela “insuflar ar dialético” e assim enxergar sua contraditoriedade latente. As vozes em harmonia de Dostoiévski comporiam, em sua investigação do indivíduo, um diagnóstico do capitalismo insurgente, em que o sujeito é também súdito: esse coro estaria abafado, enforcado pelas cordas vocais do subsolo.

Vassoler então ressignifica a catedral e pensa uma polifonia dialética, vozes que contraporiam cristianismo e socialismo, Allan Kardec e Hegel, Cristo e Marx, Bakhtin e Adorno, contradições postas cuja síntese, a própria catedral, seria fruto de oposições e não mais de harmonia. O que torna ainda mais interessante a tese de Vassoler é pensar as limitações de Bakhtin à luz da época em que escreveu sua obra-prima, em pleno regime stalinista: a rigidez da ditadura implicava o apagamento do que era basilar da própria estrutura teórica que originou a Revolução Bolchevique, a contradição. Dostoiévski teria, então, projetado as afinidades entre o socialismo real e o capitalismo para muito além do dogmatismo da Guerra Fria, e, ao demonstrá-lo, Vassoler compõe um trabalho dialético e multifacetado, qual seu objeto de análise.

Ficha técnica

Número de páginas
406
ISBN
9788577155910
Encadernação
Brochura
Peso
0.5 kg
Ano de lançamento
2018

Compartilhe