Os quase oito mil Caxinauá fazem parte da família linguística pano, composta por cerca de trinta grupos, ocupando a fronteira entre o Brasil e o Peru. No Brasil, eles vivem em doze terras indígenas e, no Peru, eles ocupam todo o rio Curanja e uma parte do rio Purus — da cidade de Puerto Esperanza até a embocadura do rio Curanja. O historiador João Capistrano de Abreu foi quem, no início do século XX, registrou pela primeira vez a língua e o modo de vida Caxinauá junto a dois jovens provenientes da etnia, do rio Ibuaçu. Esse trabalho deu origem ao livro Hantxa huni kuin (publicado pela primeira vez em 1914), sobre a língua dos Caxinauá do rio Ibuaçu, afluente do Muru.

Hoje a língua não é mais escrita do modo que Capistrano a registrou, e os próprios Caxinauá não conseguem ler esses relatos de cem anos atrás. Pensando que as histórias deste povo poderiam ser lidas de uma forma mais acessível tanto aos falantes da língua quanto aos do português, a linguista Eliane Camargo, que trabalha com eles desde 1987, revisou e refez a tradução da publicação já ultrapassada de Capistrano — publicada pela Hedra em versão bilíngue.


Acesse aqui os outros títulos da Coleção Mundo indígena:


Ficha técnica

Número de páginas
32
ISBN
9788577155170
Encadernação
Grampo
Peso
0.055 kg
Ano de lançamento
2016

Compartilhe