Os 50 melhores sermões de Vieira em 2 tomos e nova edição



Os sermões de Antonio Vieira (1608-1697) representam a mais alta prosa já escrita em língua portuguesa. Na síntese de Fernando Pessoa, eles compõem “uma grande certeza sinfônica”. É essa grande sinfonia da língua e seus sentidos que o leitor encontra nestas páginas, justificando o cuidado dispensado a esta edição, que traz seus cinquenta principais sermões divididos em dois volumes (cotejados com a primeira edição, organizada pelo próprio Vieira).

Além de um alentado estudo do gênero em seu auge, de autoria do organizador destes volumes, Alcir Pécora (professor de Teoria Literária da Unicamp), e 2500 notas de identificação e tradução das citações e referências presentes nos sermões.

“Se esta havia de ser a paga e o fruto de nossos trabalhos, para que foi o trabalhar, para que foi o servir, para que foi o derramar tanto e tão ilustre sangue nestas conquistas? Para que abrimos os mares nunca dantes navegados? Para que descobrimos as regiões e os climas não conhecidos? Para que contrastamos os ventos e as tempestades com tanto arrojo, que apenas há baixio no Oceano, que não esteja infamado com miserabilíssimos naufrágios de portugueses? E depois de tantos perigos, depois de tantas desgraças, depois de tantas e tão lastimosas mortes, ou nas praias desertas sem sepultura, ou sepultados nas entranhas dos alarves, das feras, dos peixes, que as terras que assim ganhamos, as hajamos de perder assim?”

Compartilhe