Deu na Folha

"O que há em comum entre os três livros da primeira leva [da Série Sexo] é que cada um quebra um tabu à sua maneira. [...] Penso que a escolha do texto do poeta e escritor vitoriano Algernon Charles Swinburne (1837-1909) [A Vênus de quinze anos], cuja obra pende para a pornografia, o sadomasoquismo, a necrofilia e a autoflagelação deve ter sido feita em razão de ele ter criado, 60 anos antes, uma Lolita tão picante quanto a de Nabokov. [...] O segundo livro, O outro lado da moeda, já chocou tanto quanto O amante de Lady Chatterley, de D.H. Lawrence (1885-1930). [...] Tudo que eu pensei mas não falei na noite passada, o terceiro livro, não esconde o ato sexual atrás de descrições veladas. Não estamos falando de sentimentos. Afinal, sexo é a antítese da razão, descrevê-lo seria negar sua natureza irracional." (Barbara Gancia, FSP, 30/09/14)

>> Série Sexo

Compartilhe