“A terra uma só” e seus diversos caminhos

Em 11 de maio (quinta-feira), aconteceu na Livraria da Vila, em São Paulo, o evento de lançamento de Yvyrupa – A terra uma só, escrito por Timóteo Verá Tupã Popyguá, liderança Guarani. O título integra a Coleção Mundo Indígena da Editora Hedra, que apresenta um apanhado de mitos ameríndios e indígenas de diferentes etnias, divididos entre sete livros. Em belas edições projetadas graficamente para impressão em técnica risograph, os livros levam uma identidade visual marcante e rústica, semelhante a serigrafia sobre papel.

Pensada com muito cuidado, tem como responsabilidade e função social o reconhecimento das diferentes comunidades indígenas e perpetuação do registro de seus mitos, evocando a relação do homem indígena com a natureza. É dividida em quatro diferentes segmentos: Yanomami, Guarani, Caxinauá e Hupd’äh. Com exceção do livro Guarani, Yvyrupa – A terra uma só, escrita diretamente em português, todas as edições são bilíngues.

O evento contou com a presença de Timóteo, que emocionou os convidados com a apresentação de um canto guarani, bem como da ilustradora e organizadora Anita Ekman e Maria Inês Ladeira, integrante do CTI (Centro de Trabalho Indigenista). Juntos, participaram de uma roda de conversa sobre as questões indígenas e os obstáculos que ainda enfrentam. Repleto de descrições detalhadas sobre da sua cultura, Yvyrupa – A terra uma só traz uma narração sensível e imagética, que contempla também os leigos acerca da cosmologia e cosmografia guarani.

Na primeira parte do livro, Timóteo descreve a origem do mundo conforme a visão indígena. Na parte seguinte, o foco é outro: o líder traça uma pequena autobiografia atrelada à trajetória de seu povo, que, da mesma forma que outras milhares de tribos indígenas, sofreu com conflitos por terra, cultura e identidade. Ele finaliza com uma espécie de manifesto, no qual reafirma o pertencimento dos Guarani Mbya na terra que lhes é de direito.

É através do discurso Guarani sobre o fundamento da linguagem humana, a origem da terra e do ser humano, que podemos entender como amor e palavra nascem da mesma origem divina e se expandem para formar a língua, o pensamento e a sabedoria Guarani – conforme escreve a organizadora e ilustradora do livro Anita Ekman, em sua "A tradução do espírito", apêndice explicativo do livro.

De modo a possibilitar novos modos de escrita e apresentação da língua e cultura em suas próprias escolas, parte dos direitos autorais da coleção é destinada à oficinas de língua e cultura de suas comunidades.


Fotografias: Luca Meola.

Compartilhe